9 de ago de 2012

MESTRADO É NOTÍCIA EM RORAIMA

Marcha dos Povos Indígenas,
pelo centro de Boa Vista, no dia 9
Boa Vista é a única capital brasileira acima da Linha do Equador (mas, contrariando Ney Matogrosso, ainda não vimos muito "pecado" por aqui não, há, há!). Chegamos na cidade depois de 24 horas de viagem, com direito inclusive a uma aventura na selva amazônica (leia-se: algumas horas num hotel cinco estrelas, cercado de floresta em Manaus), por causa dos atrasos e contratempos dos voos. Tudo começou com uma grande turbulência no primeiro trecho, de Recife a Brasília (enquanto o cidadão ao nosso lado continuava lendo um manual da sua igreja, justo no capítulo “Lição sobre a Eternidade”, que incluía até uma “Tarefa de Casa”... Ainda bem que não fomos obrigados a ajudá-lo nesse exercício teológico, por enquanto!).

Mas viemos, o professor Sérgio Vasconcelos e eu, Gilbraz, em missão acadêmica do Mestrado em Ciências da Religião da UNICAP, pra ajudar na organização de uma série de cursos sobre Ensino Religioso que a secretária de educação, Lenir Rodrigues, está promovendo para colocar o estado de Roraima em dia com a marcha da educação religiosa no país (veja aqui um balanço dessa história, ainda mais turbulenta do que a de nossos aviões). Nós já temos uma experiência boa no apoio a cursos de estudos da religião (veja aqui o nosso engajamento com grupos de Natal, Maceió e Goiana), mas essa parceria em Boa Vista reveste-se de um desafio maior: como impedir que as igrejas cristãs majoritárias transformem as escolas indígenas em campos de missão apologética e, ao mesmo tempo, como modalizar o Ensino Religioso no estado com maior proporção de pessoas sem religião, 19,39%, no último censo?!

Essa visita é também revestida por um carinho especial, porque já temos vários estudantes de Roraima em nosso Programa de Pós-graduação, a começar pelo pioneiro Manoel Rabelo (veja aqui sua pesquisa sobre a religiosidade indígena da região), e porque, justamente, encontramos em sua terra um Brasil aborígene do qual somos muito ignorantes e pelo qual sentimos grande fascínio.

Pois então, o estado tem muitos índios, mas Boa Vista é uma capital moderna e, certamente por conta dos índios(!), é também humanizada (se você bota o pé na faixa de pedestre, os carros param!). A cidade, com 290 mil pessoas, abriga dois terços dos roraimenses, que possuem uma cultura que é mistura de nordestino com indígena (ouve-se de forró a ritmos caribenhos nas ruas, em meio a frutas e peixes saídos direto do paraíso). O traçado urbano é organizado de forma radial, cujas avenidas atraem todo mundo para a praça principal, onde se homenageia o pernambucano Joaquim Nabuco - que tanto lutou diplomaticamente pelo território deste atual estado, quanto pela liberdade religiosa no Brasil e pela laicidade da sua educação pública! Dava até pra gente evocar Paulo no Areópago de Atenas: "somos da terra desse cara aí, e lutamos pelas suas causas, viu?!".

Mas nossa missão aqui, de ajudar na formação de educadores laicos sobre a religiosidade humana, tirando a similar dificuldade de transporte, nem está tão difícil quanto a paulina. Nós mal chegamos e já fomos mesmo matéria no Portal do Governo de Roraima, com o título "Secretaria de Educação promove Cursos sobre Ensino Religioso nas escolas", assinada por Mágida Azulay Khatab e que passamos a transcrever... Cheios de contentamento porque o nosso Mestrado é notícia, agora até acima do Equador!

"Começou nesta quarta-feira (8) o primeiro curso sobre o Ensino Religioso para os professores que atuam nas escolas da rede estadual de ensino. O evento segue até o próximo dia 10 de agosto, na Videoteca do Palácio da Cultura Nenê Macaggi, das 8h às 12 horas e das 14h às 18 horas.

O curso está sendo ministrado pelos professores Sérgio Vasconcelos e Gilbraz Aragão, que atuam no curso de Mestrado em Ciência e Religião, da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). A intenção é repassar aos professores uma visão geral sobre o Ensino Religioso, a importância dos valores espirituais, da relação do ser humano com o sagrado, independente de doutrinas e religiões.

Na manhã desta quarta-feira (8), o professor Sérgio Vasconcelos ministrou palestra sobre o tema “Paradigmas para contextualizar o Ensino Religioso” para um grupo formado por 25 professores. À tarde, ele falará para outra turma de docentes. Amanhã será a vez do professor Gilbraz apresentar os eixos curriculares da educação religiosa e na sexta eles falarão do diálogo como postura do professor de Ensino Religioso.

“Acho que este curso será interessante para nos repassar orientações e um norteamento que contribuirá para o planejamento, elaboração e aplicação de nossas aulas de cultura religiosa”, destacou a professora Genoveva de Souza Cavalcante, que atua na Escola Estadual Vanda da Silva Pinto.

Além deste curso, que seguirá até a próxima sexta-feira (10), já estão programados novos cursos. O próximo será ministrado no período de 4 a 6 de setembro. Entre os dias 13 e 15 do mesmo mês, será realizado, no estado do Amazonas, um seminário sobre o tema. No período de 6 a 8 de novembro, está prevista a realização de mais um curso sobre Ensino Religioso e, no dia 9 de novembro, ocorrerá um seminário em Boa Vista.
.
“O curso capacitará os docentes para a melhoria do trabalho pedagógico em sala de aula no ensino dessa disciplina, que busca repassar princípios religiosos, valores, respeitando todas as religiões, sem priorizar uma religião específica”, destacou a diretora do Departamento de Educação Básica (DEB), Cleonides Gomes Pereira.

O Ensino Religioso, enquanto componente curricular, deve atender à função social da escola, proporcionando o conhecimento dos elementos básicos que compõem o fenômeno religioso, a partir de uma abordagem pedagógica que estuda, pesquisa e reconhece a diversidade cultural-religiosa brasileira. Está regulamentado por meio da Lei n° 9.394/96 (LDB) e da Lei n° 9.475/97. Em Roraima, esta disciplina está incluída na matriz curricular das escolas da rede estadual de ensino, dentro da área diversificada, ministrada uma vez por semana, não sendo uma disciplina reprovativa".





Mais no blog:

Um comentário:

  1. "O nosso Mestrado é notícia, agora até acima do Equador"!

    Professor Gilbraz e Professor Sérgio !

    Um forte abraço pra vocês e um bom trabalho acadêmico diante dos desafios apresentados.
    Com certeza o Ensino Religioso é uma frente extremamente importante no processo educacional, mas não pode ser instrumentalizada por nenhuma denominação religiosa..
    forte abraço..
    Estamos esperando por vocês...

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!