21 de mar de 2012

NOVAS LEITURAS DO DAIME

APOIO: NEABI e Programa de Pós-Graduação em CIÊNCIAS DA RELIGIÃO
da Universidade Católica de Pernambuco


MOREIRA, Paulo; MACRAE, Edward. 
Eu venho de longe: Mestre Irineu e seus companheiros.
Salvador: EDUFBA, EDUFMA, ABESUP, 2011. 592p. 


Esse livro faz um resgate da memória dos primórdios do culto religioso do Santo Daime, a sua importância na formação da identidade acreana e sua matriz afro-brasileira, elaborado com as narrativas das vidas dos seus precursores, em especial o Mestre Irineu. Raimundo Irineu Serra, mais conhecido como Mestre Irineu, foi um maranhense neto de escravos que no início do século XX migrou para a região do Acre, onde se estabeleceu desempenhando vários ofícios relacionados à extração da borracha e posteriormente, a partir de 1920, agora residente na região de Rio Branco, se inscreveu na Força Policial. A partir de então passou também a desenvolver atividades de cunho espiritualista e de medicina popular tendo como principal ferramenta a bebida ayahuasca, de fortes características psicoativas. Em 1930 funda um centro, datando-se dessa época a criação do culto do Santo Daime ou Daime.

A comunidade rural que estabeleceu acolheu inúmeros imigrantes e seringueiros expulsos da floresta devido ao colapso da economia da borracha. Mestre Irineu e sua doutrina foram sujeitos a inúmeras perseguições e preconceitos suscitados pela predominância de afro-descendentes entre seus seguidores e pelos temores que as elites de então sentiam em relação à movimentos culturais e religiosos de origem afro-indígena como aquele que liderava. Como estratégia de defesa para si e sua comunidade Mestre Irineu desenvolveu fortes laços com alguns políticos influentes de sua época, incluindo governadores e autoridades do exército. Hoje se considera de grande importância a sua participação na colonização do então Território que mais tarde viria a ser Estado e o movimento religioso que fundou assume características emblemáticas da identidade acreana reminiscentes, análoga daquelas desempenhadas por exemplo pelo candomblé na Bahia.

O livro, então, traz uma nova abordagem e releitura dos dados já conhecidos sobre a história do Mestre Irineu e do Daime, além de trazer uma preciosa coleção de fotos, documentos e outros depoimentos dos primeiros participantes desse movimento religioso, muitos deles com idades avançadas ou falecidos. O trabalho também enfatiza a influência da cultura afro-brasileira no desenvolvimento da doutrina pregada pelo Mestre Irineu. Assim, este livro é um trabalho de resgate da memória dos primórdios desse culto religioso, enfatizando a importância do Daime na formação da identidade acreana e destacando a presença da matriz afro-brasileira, até agora pouco enfatizada nesse processo.

Palestra e lançamento na UNICAP:
Dia 27 de março, 17 às 18h30
Sala 504 do Bloco G
Entrada franca.

Saiba mais do Santo Daime aqui no blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!