7 de jul de 2011

PESQUISANDO BRUXARIA

Durante duas lunações neste outono de 2011, meses de maio e junho, morei na Casa de Estudante da UMESP, em São Bernardo do Campo, por conta de uma Bolsa-Sanduíche da minha pesquisa de mestrado na UNICAP, sobre a Wicca no Brasil. Sou de uma Universidade católica e fui pro intercâmbio numa Universidade protestante, por causa do meu estudo sobre bruxaria! Quer dizer: a busca de um conhecimento mais universal, científico, favorece a compreensão e o diálogo entre religiões.

Nunca havia ido a São Paulo, no entanto, sem problema algum, cheguei à minha fortuna. Fui muito bem recebida e bem acomodada em meu novo lar, do qual guardo hoje ótimas recordações. Tinha um bom chão, para firmar minha construção, e um ótimo teto para proteger meus sonhos. E os ares que entravam, saiam e permaneciam na casa, me trouxeram uma chama transformadora. 

Os sessenta dias em solo paulista foram carregados de descobertas. Meus pés ainda possuem, orgulhosamente, dois calos. Andei bastanteee, muito mesmooo! Com um caldeirão. No entanto, levava quase nada dentro. Agora no Recife, essa panela transborda. E com a energia crescente do sol, e a fertilidade da terra, cozinho todas as sementes que São Paulo me proporcionou. 

Conheci pessoas, lugares e tive momentos inesquecíveis. Agradeço a todos que colocaram uma sementinha em meu caldeirão. Aos meus colegas de lar, por suas gentilezas, preocupações, e carinho. Aos meus colegas estudantes da Metodista, por terem me mostrado outro olhar das denominações protestantes, sobre o mundo. Aos professores e funcionários da Metodista, por terem me recebido com zelo. Em especial, à Sandra Duarte, pela ótima orientação, e a Lieve Troch, pelas ótimas aulas, em tom suave, mas carregado de desconstruções extasiantes. 

Agradeço ao Google Maps, e ao mapinha do metrô, que possibilitaram minha peregrinação em toda Grande São Paulo, e até ao interior do Estado. Agradeço a todos os grupos de bruxos, que me receberam muito bem, com ótima disposição e comprometimento, tornando minha pesquisa de campo e observação participativa muito proveitosas. 

Sou grata também aos meus queridos professores Gilbraz e Luiz Carlos, pela articulação da minha viagem, que me proporcionou tanto conhecimento e desenvolvimento. E ao PROCAD, por me tirar da vassoura (os olhos da mente), e me colocar no avião, e eu ver o corpo da Mãe-Terra tão exuberante quanto a luz do horizonte, que esconde os confins da terra. E lógico, pela volta ao calor da minha terrinha, que aprendi a dar muito mais valor. Como é bom, ouvir e falar, “oxe, tá com a bexiga, arretado, brigada, de nada...”. E como é bom ficar em casa, descalça, de vestido e sem casaco...

Mestranda em Ciências da Religião na UNICAP


 

2 comentários:

  1. Karina
    Que maravilha as fotos e o ambiente de envolvimento com sua pesquisa.
    Maravilhoso daqui d França ler sua postage.
    Vibro pelos bons momentos,
    Beijos
    Silverio
    09 Julho

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!