1 de fev de 2011

INTERCÂMBIO: RELIGIÃO E MODERNAGENS

Durante o mês de outubro de 2010 embarquei para São Paulo, mais especificamente para a Cidade de São Bernardo do Campo, com o objetivo de avançar no processo de escrita de minha Dissertação de Mestrado em Ciências da Religião, através de um intercâmbio entre a Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e a Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Esse intercâmbio foi proporcionado pelo Programa Nacional de Cooperação Acadêmica (PROCAD) e financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

No período em que estive em São Paulo conheci pessoas e lugares importantes que me ajudaram a crescer, cognitivamente, e, antes de tudo, como pessoa. Algo muito importante para o meu desenvolvimento como futuro pesquisador. Ao chegar na UMESP fui acolhido pelo coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião, o Professor Dr. Jung Mo Sung, e por sua Secretária, Regiane Dias, que logo cuidaram de fazer os primeiros direcionamentos institucionais, permitindo-me fazer uso de todos os espaços disponíveis no campus. A primeira visita foi à Biblioteca, que, por sinal, possui um excelente acervo em minha área de pesquisa: religião e modernidade.

Na primeira semana (05/10), fui até a PUC/SP para participar, como ouvinte, do Colóquio sobre “Fundamentos da Ciência da Religião”, que teve como tema na conferência principal os “Encruzamentos filosóficos no estudo comparado das religiões”, com o Profº Scott Randall Paine (UNB) e, como debatedores, os Professores Luiz Felipe Pondé (PUC/SP) e Eduardo Cruz (PUC/SP). Aproveitando a minha ida até a PUC/SP, não pude deixar de conhecer o MASP (Museu de Arte de São Paulo), localizado na Avenida Paulista, assim como a Livraria Cultura e outras, instaladas na mesma avenida. Urbanidade e cosmopolitismo por todo lado, apesar das contradições e preconceitos paulistanos!

Durante o período em que estive em São Bernardo do Campo (UMESP) fiz da biblioteca o meu local de estudos e de leituras diárias. Também curti muito o quarto em que fiquei instalado, na casa que pertence ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da UMESP, destinada a alunos e professores que não são do Estado e que estão cursando Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado naquela Universidade. Tive ainda a grata oportunidade de conhecer os Professores Etienne Alfred Higuet e Milton Schwantes, assim como de participar, a convite deles, de algumas aulas do Doutorado em Ciências da Religião, como também de algumas aulas no Mestrado. A aproximação com os professores foi de extrema importância, indicando-me referências interessantes e atualizadas, em teologia e hermenêutica, para a minha Pesquisa.

Na terceira semana, peguei um vôo para o Rio de Janeiro, com o objetivo de conhecer o PPG da PUC/RIO, assim como o Professor Dr. Alessandro Rocha, que muito colaborou e continua colaborando em minha Pesquisa de Mestrado, com a sua teologia interdisciplinar. Ainda na PUC/RIO, tive a oportunidade de conhecer, um pouco mais, a Professora Dra. Ana Maria Tepedino, com quem estive no Recife durante o III Simpósio Internacional de Teologia e Ciências da Religião da UNICAP. Ainda no Rio de Janeiro, não poderia de deixar de prestigiar o lançamento do livro do amigo recifense, Valter Luis de Avellar, dentro da programação do evento “PRIMAVERA DOS LIVROS 2010”, que ocorreu no Museu da República, no Palácio do Catete.

Apesar do curto período do intercâmbio, cuidei de não perder tempo. Na verdade, meu estágio “sanduíche” na UMESP começou ainda no vôo, antes mesmo de chegar a São Paulo: folheando uma revista, dentro do avião, comecei a ler uma entrevista com o brilhante ator pernambucano, Irandhir Santos. Ao avançar na leitura da entrevista, tive a grata surpresa de saber que Irandhir foi o protagonista do filme “Viajo porque preciso, volto porque te amo”, justo um dos melhores filmes que já tive a oportunidade de ver e que retrata muito bem as nossas origens e costumes nordestinas. Trata-se de um filme apaixonante, poético, e que deixa todos em êxtase por sua beleza, enchendo de orgulho todo "cabra da peste".

Chegando a São Paulo, embalado pelo filme e suas reminiscências conexas, conclui que os nordestinos e as suas coisas e temas são mais importantes do que se imagina (é preciso viajar pra descobrir!). E mais: quando a gente tem o que dizer, não precisa nem aparecer muito... acaba sendo reconhecido. É assim, também, com as coisas sagradas, que se impõem, sempre de novo, em todo canto. Como “o coração tem suas razões, que a própria razão desconhece” (Blaise Pascal), fui para São Paulo com o objetivo de pesquisar sobre o lugar da Religião num mundo Pós-moderno e, ainda no avião, percebi que “o essencial é invisível aos olhos” (Saint Exupéry).

mestrando em Ciências da Religião da UNICAP, Membro do Instituto Humanitas Unicap e Membro do corpo editorial da revista eletrônica Paralellus, dos alunos do Mestrado em Ciências da Religião da UNICAP.
Ps.: Carlos viajou com um certo pastor do nosso Mestrado, que ainda está "acordando pra Jesus"... Há, há!

Um comentário:

  1. Karina O. Bezerra01 fevereiro, 2011

    E os outros vinte dias? hehe
    ps. Olha a cara de alegria de Avellar ^^

    Parabéns! :)

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!