1 de jun de 2013

FIÉIS E FANÁTICOS: Ó PAÍ




Acima a primeira parte do episódio "Fiéis e fanáticos" da série "Ó pai, ó" (veja as outras partes por aqui). "Ó paí, Ó" é um filme brasileiro lançado em 2007, dirigido por Monique Gardenberg, com roteiro baseado em uma peça de Márcio Meirelles e estrelado, em sua maioria, por atores do Bando de Teatro Olodum, de Salvador, que também encenou o texto no teatro. O filme, ambientado no carnaval, conta a história dos moradores de um animado cortiço do centro histórico do Pelourinho. Aproveita da comédia para fazer pensar sobre contrastes sociais, violência e racismo.

O sucesso foi tanto que deu origem a uma série televisiva de mesmo nome, com dez episódios, roteiro de Guel Arraes e Jorge Furtado e direção-geral de Monique Gardenberg, Mauro Lima, Carolina Jabor e Olívia Guimarães. No episódio "Fiéis e fanáticos", Maria (Valdinéia Soriano) descobre, por meio de Mãe Raimunda (Cássia Valle), que o orixá de Michelângelo é Exu e, devido ao preconceito ligado a ele, ela prefere consagrá-lo a Ogum. Para isso, deve homenagear o santo de alguma forma e, após sonhar com seu filho envolto em vermelho e preto, decide vesti-lo com essas cores no batizado. Ao saber da promessa, Reginaldo (Érico Brás) se desespera, pois prometeu ao avô que seu filho seria torcedor do Bahia e, portanto, não pode vestir as cores do Vitória, que são justamente o vermelho e o preto. Porém, se depender de Neusão (Tânia Toko), seu afilhado será sim um torcedor fanático do Vitória. 

O campeonato está chegando e Neusão e Reginaldo fazem suas promessas para ajudar a garantir a vitória de seus respectivos times. Reginaldo desconfia que a comerciante optou por não beber e, diante disso, tenta fazê-la ter uma recaída para que seu time perca. Ela, por sua vez, percebe que o taxista sedutor está se privando de flertes e acredita ser este o seu sacrifício pelo Bahia. Para induzi-lo a romper com a promessa, Neusão apresenta Magda (Preta Gil) a Reginaldo, que tenta resistir ao charme da morena. No dia do jogo, todos se reúnem no bar de Neusão, inclusive Magda, que não desistirá do taxista até os 45 minutos do segundo tempo. No meio disso tudo, entram os discursos das igrejas católica e evangélica: um retrato da religiosidade brasileira, que provoca reflexão sobre os (des)caminhos da crença em nossa cultura - que tanto tem gerado fiéis, quanto fanáticos!

Mais no blog:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!