12 de abr de 2013

BISPO ENGAJADO




Um dia desses távamos tomando banho com a família nas águas quentes de Salgadinho, no interior de Pernambuco e por acaso conhecemos Filadelfo Oliveira e sua esposa Dulce. Conversa vai, conversa vem, descobrimos que compartilhávamos a piscina com um bispo da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, que inclusive conhecia o nosso professor biblista e também anglicano, Sebastião Armando, e tal... Depois soubemos que Filadelfo mudou-se pro Rio e atualmente é o bispo da Diocese Anglicana do Rio de Janeiro. Os anglicanos constituem uma denominação cristã que tem por sede a Cantuária, na Inglaterra, e são também chamados de episcopais, compreendendo-se como uma Igreja católica reformada. Esses anglicanos depois estiveram no nosso Fórum Inter-religioso da UNICAP, numa tarde de memoráveis discussões.

E nós até reconhecemos Dom Filadelfo outra vez numa foto, de junho do ano passado, participando lá da Cúpula dos Povos, por ocasião da Conferência Rio+20, promovida pela ONU em favor do meio ambiente. Pois não é que agora topamos novamente com esse cidadão, engajadíssimo em passeata por Copacabana no último dia 7 de abril, "Por uma Comissão de Direitos Humanos para Tod@s"?! O ato veio se juntar às muitas manifestações contra atitudes do deputado pastor Marcos Feliciano, e nele Filadelfo "... deu Cartão Vermelho pra todos que bagunçam a democracia, tentando sufocá-la como direito de alguns ou governo da religião. Não somos aristocracia nem teocracia. Desistam do jogo ou se convertam em cidadãos da tolerância: todos os agentes do ódio, do mundo habitável somente pelos seus iguais e dos direitos sendo conferidos a alguns (maioria ou minoria). Cartão Vermelho aos intolerantes!". Nossa homenagem saudosa a Filadelfo, em nome de todos os que lutamos por um mundo mais humano.

Veja aqui declaração do Conselho de Igrejas.
Veja aqui posição da Aliança Evangélica.

7 comentários:

  1. ... No caso do Feliciano, é o forte conservadorismo religioso, o elemento a indicar o ponto de ruptura entre as linguagens da modernidade social (racional-pragmática, tolerante, desencantada e liberal-democrática) e as linguagens apocalítico-místicas do pentecostalismo. Por isso, é muito interessante contrastrar a evolução recente do discurso de Feliciano (e seguidores) com as linguagens internas usadas em suas igrejas. Por um lado, reagindo a pressão dos "bestas-feras" (como aparecem os militantes de causas gays e étnicas no discurso demonizador de algumas lideranças pentecostais), Feliciano afirma ser representante legítimo de uma parcela da população (os evangélicos) e afirma ter participado legitimamente do processo democrático que escolheu a liderança da histórica Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados (CDH). De fato é verdade. Por outro lado, seu discurso religioso é carregado de uma linguagem estranha ao jogo da democracia. Em um culto religioso recente, o deputado-pastor diz que a CDH era um antro de "demônios", conquistado pelo poder de Jesus, para a Glória de Deus. Veio à tona, um vídeo, depois outro e mais outro, em que o deputado Pastor, está em pleno uso extático (e histriônico) de termos religiosos sob o delírio das massas. Haveria uma linha de continuidade histórico-ontológica entre o discurso misógino de São Cirilo contra Hipátia, o gozo condenatório de um Tertuliano, a prática cruel dos Juízes Inquisidores, o rigor assassino dos Puritanos no caso das Bruxas de Salém e as furibundas diatribes de Feliciano contra artistas, personagens e grupos no púlpito do evangelho de Cristo?...

    http://arcanaestudosdereligiao.blogspot.com.br/2013/04/deus-e-o-diabo-na-terra-do-sol-e-luta.html?spref=fb

    ResponderExcluir
  2. REALMENTER. È UM ABSURDO ESSE FELICIANO CONTINUAR COMO PRESIDENTE DA CDH .VAMOS TODOS UNIDOS LUTAR CONTRA ESSE ABSURDO.VI O FILME. HORRIVEL!!!

    ResponderExcluir
  3. o líder dos anglicanos não suportou tanta divisão entre eles e renunciou dia desses, o chefe dos católicos romanos também não aguentou tanta briga e escândalo em suas hostes e renunciou, isso pra não falar dos evangélicos e protestantes que são divididos desde o começo e não menos escandalosos, nem dos católicos ortodoxos cujos patriarcados brigam e disputam fieis entre si. não seria hora de, antes de cobrarem integridade e união na esfera social, os cristãos todos se reunirem e darem um exemplo de unidade na diversidade?!

    ResponderExcluir
  4. É, acho que justiça pra ser boa, começa em casa... Mas você não acha que um boa possibilidade dos cristãos se unirem é justamente se juntando às pessoas de boa vontade para obras sociais de caridade, para a militância social em favor da misericórdia?! Manu.

    ResponderExcluir
  5. ... O caso Marco Feliciano pode ser considerado um paradigma pelo fato de ser a primeira vez na história em que os evangélicos se colocam como um bloco organicamente articulado, com projeto temático definido: uma pretensa defesa da família. Com a polarização estimulada pelas mídias entre o deputado Feliciano e ativistas homossexuais foi apagada a discussão de origem quanto à indicação do seu nome em torno das afirmações racistas e de seu total distanciamento da defesa dos direitos humanos.Torna-se nítida uma articulação política e ideológica conservadora em diferentes espaços sociais - do Congresso Nacional às mídias - que reflete um espírito presente na sociedade brasileira, de reação a avanços sociopolíticos, que dizem respeito não só a direitos civis homossexuais e das mulheres, como também aos direitos de crianças e adolescentes, às ações afirmativas (cotas, por exemplo) e da Comissão da Verdade, e de políticas de inclusão social e cidadania. Nesta articulação a religião passa a ser instrumentalizada, uma porta-voz...

    http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=74794

    ResponderExcluir
  6. ... Agora temos que lidar com isso, com essa falta de respeito generalizada, um monte de mentiras, baldes de ignorância despejados em nossas cabeças todos os dias a respeito de ativistas gays, de feministas, de minorias, e, olha só, não só de ateus e agnósticos, mas também de seguidores de outras religiões. Atenção, gente. Não existe "ditadura gay". Não existem "gayzistas". O que existe é um grupo de cidadãos que pagam impostos igualzinho a qualquer outro e têm seus direitos negados. Nenhum ativista LGBT quer tirar os direitos de ninguém. Ninguém quer "calar o povo de deus". Nós apenas queremos que o povo de deus vá exercer sua liberdade de credo em seus templos, suas casas, suas comunidades, não em cargos públicos, não forçando sua fé sobre todos, não aprovando projetos de lei baseados em fundamentos religiosos ou atrasando a ciência citando deus e a bíblia. E queremos que sim, aceitem mulheres casando com mulheres, homens casando com homens e todos sendo felizes. O discurso do "não sou obrigado a gostar" é totalmente ilógico, afinal, o casamento entre pessoas do mesmo sexo não fere a sua liberdade. Não é a sua vida. Você não tem nada com isso. As feministas clamam pelo direito da mulher sobre seu próprio corpo porque é um absurdo enorme o Estado estar acima da nossa vontade por motivos estritamente religiosos, mais uma vez citando fundamentos com os quais nem todos concordam e levando milhares de mulheres à morte por isso. Não faz sentido. Não em um mundo racional...

    http://claraaverbuck.com.br/feliciano-e-o-ibope/#.UX_ykYij_L4.facebook

    ResponderExcluir
  7. Seguidores da Bíblia, eles se opõem à violência contra homossexuais, defendem a igualdade entre homens e mulheres, são favoráveis ao estado laico e enfrentam preconceito dentro e fora da comunidade religiosa...

    http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/05/evangelicos-contra-o-preconceito.html

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!