13 de mar de 2013

TEMOS PAPA

Desde esta tarde (13/03/13), a Igreja católica romana já tem um novo papa (veja o anúncio por aqui, na TV do Vaticano). É o cardeal de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, que a partir de agora será chamado Francisco. Trata-se de um latino-americano de raízes italianas e que estudou na Alemanha. Jesuíta, também é ligado ao movimento Comunhão e Libertação.

Foi discreto no enfrentamento da ditadura em seu país e é austero em questões morais, mas tem senso pastoral e sensibilidade espiritual, é um homem de oração e é dedicado aos empobrecidos e favelados. Anda de metrô e preparava a própria comida no apartamento onde vivia, até agora. Prega um cristianismo de misericórdia e de alegria. A escolha do nome prenuncia um papa reformador (como Francisco de Assis) e missionário (como Francisco Xavier).

Para o arcebispo católico de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido (veja aqui), a escolha do cardeal argentino é um grande sinal de esperança para a Igreja. “Pela idade e pessoa simples e despojada que ele é, esperamos que possa dar uma grande contribuição em temas atuais. Ele se mostra equilibrado e corajoso para tomar as decisões e efetuar as mudanças necessárias”, afirmou. O religioso destacou ainda que a eleição também prova que a Igreja está aberta para o continente latino-americano, que tem a maior população católica do mundo. “Ele demonstra compromisso com o povo de Deus, principalmente com os mais pobres”, completou.

Mais no blog:
Papa renuncia
Vaticano e geopolítica
Catolicismo plural

6 comentários:

  1. Passadas as primeiras horas do impacto da eleição do Cardeal Bergoglio de Buenos Aires, das emoções primeiras de termos um papa latino-americano, com expressão amável e cordial a vida presente nos convida a refletir. Apesar de seu valor, os meios de comunicação têm também o poder de amortizar as mentes e de impedir que perguntas críticas aflorem ao pensamento das pessoas. Nesses dois últimos dias que precederam a eleição papal, muitas pessoas no Brasil e no mundo foram tomadas pelas transmissões em direto de Roma. Sem dúvida um acontecimento histórico desses não se repete todos os meses! Mas, que interesses tiveram as grandes empresas de telecomunicações em transmitir os inúmeros detalhes da escolha do novo Papa? A quem servem os milhões de dólares gastos nas transmissões ininterruptas até a chegada da fumaça branca? Do lado de quem se situam esses interesses? Que interesses tem o Vaticano em abrir as possibilidades para essas transmissões? Essas perguntas talvez inúteis para muitos, continuam a ser significativas para alguns grupos preocupados com o crescimento da consciência humanista de muitos/as de nós...

    http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=74172

    ResponderExcluir
  2. Brasil e suas pastorais desejam ao papa Francisco que ele, como seu padroeiro de Assis, no abraço dos leprosos, que hoje se encontram não só na cúria romana, mas por toda parte do mundo, encontre sua missão profunda e conversão permanente. Desejamos que ele, como São Francisco, na oração diante do ícone da cruz na Igreja de São Damião, escute a voz de Jesus, que o convida para a reconstrução da Igreja em ruína da qual todos fazemos parte...

    http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=74176

    ResponderExcluir
  3. Bergoglio, como arcebispo de Buenos Aires, parecia bastante conservador em áreas como celibato obrigatório, uso de preservativos e ordenação de mulheres, ainda que tenha sido mais flexível no emprego de contraceptivos, para casos graves. Mas, quem sabe, não poderia abrir um debate a respeito desses assuntos, para um discernimento – ideia tão cara aos jesuítas – de toda a Igreja nos próximos tempos? O artigo é do sociólogo Luiz Alberto Gómez de Souza, diretor do programa de estudos avançados em ciência e religião da Universidade Cândido Mendes...

    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21746

    ResponderExcluir
  4. ... Minutos após o resultado da eleição no conclave ter sido declarado na Capela Sistina, um funcionário do Vaticano chamado de Mestre de Cerimônias ofereceu ao novo papa a tradicional capa vermelha decorada com pele que o seu antecessor, Bento 16, usava com orgulho em cerimônias importantes. "Não, obrigado, monsenhor", teria afirmado o papa Francisco. "Você pode vesti-la. O Carnaval acabou!", disse. Esse foi apenas um pequeno sinal de muitos nestes dias de que, como comentou um dos mais ácidos colunistas italianos, Massimo Franco, do jornal Corriere Della Sera, "a era do papa-rei e da corte do Vaticano acabou"...

    http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/03/130316_papa_carnaval_estilo_willey_rw.shtml

    ResponderExcluir
  5. A pesquisa feita pelo Datafolha sobre a eleição do papa Francisco consolida a impressão de que há uma grande diferença entre o que a igreja prega e o que os católicos brasileiros pensam ou praticam -com algumas nuances importantes. Em primeiro lugar, chama a atenção o fato de que, em temas polêmicos, ligados à moral sexual ou aos pilares do funcionamento da igreja, os católicos do Brasil são, com frequência, mais "liberais" que os membros de todas as demais igrejas cristãs...

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/100763-catolicos-sao-os-mais-liberais-entre-religiosos.shtml

    ResponderExcluir
  6. pois não é que esse papa pode ser mesmo pop: ele deixou o palácio "apostólico" pra lá e ficou morando na casa de santa marta, antigo hospital e refúgio político no bairro do Vaticano, em Roma. hoje a casa é administrada pelas irmãs de são Vicente de Paula, serve de hospedaria pra religiosos que vão ao Vaticano e é onde vivem funcionários que trabalham lá. doravante, quem quiser falar com o papa, pode procurá-lo ali no apartamento 201. valeu!
    Manu.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!