11 de mar de 2013

CRISTÃOS CONTRA O PASTOR

Por ocasião de sua XV Assembleia Geral, delegados e delegadas do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC) emitiram uma nota de repúdio à nomeação do pastor Marco Feliciano (PSC) para a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (saiba mais sobre essa polêmica por aqui).

O Conselho Nacional de Igrejas é formado pelas igrejas Católica Apostólica Romana, Episcopal Anglicana do Brasil, Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Sirian Ortodoxa de Antioquia e Presbiteriana Unida, representando os cristãos mais ecumênicos em nosso país.

“Expressamos nosso repúdio ao processo que levou à escolha do deputado Marco Feliciano (PSC), o qual, por suas declarações públicas, verbais e escritas de conteúdo discriminatório, de cunho racista e preconceituoso contra minorias, (...) responde a processos que tramitam no Supremo Tribunal Federal”, diz um trecho do documento.

“Tal comportamento o descredencia para liderar a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados e propugnamos por seu imediato afastamento.”, encerra a nota, que ainda conclama por mais "ética na política", por "um Congresso Nacional transparente e com ficha limpa" e pela "reforma política do Estado brasileiro na busca da ampliação da cidadania".

Baixe por aqui a nota completa.
 
Mais no blog:

5 comentários:

  1. Evangélicos também se unem e lançam abaixo-assinado contra pastor Marco Feliciano. Rede Fale representa 39 grupos evangélicos brasileiros, que estão contra a presença de Feliciano na Comissão dos Direitos Humanos.
    Veja mais em http://redefale.blogspot.com.br/2013/03/carta-aberta-aos-irmaos-e-irmas.html

    ResponderExcluir
  2. Mais de 150 lideranças evangélicas assinam documento pedindo a saída de Marco Feliciano da presidência da CDHM. Pastor da Igreja Batista desabafa: “ele não representa os direitos humanos e a minoria”...

    http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/03/150-lideres-evangelicos-rejeitam-publicamente-marco-feliciano.html

    ResponderExcluir
  3. Com as manifestações recentes de diversos grupos da sociedade sobre a eleição da nova Presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) a Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP), vinculada a CNBB emitiu uma nota nesta sexta-feira (22) manifestando apoio às mobilizações. “À CDHM cabe enfrentar as inúmeras violações à dignidade da pessoa humana e estimular os debates e reflexões que favoreçam a criação e efetivação de políticas de Estado em favor da dignidade humana”, destaca a nota. Em virtude dessa responsabilidade a CBPJ acredita serem “justos” os questionamentos sobre a eleição...

    Leia a nota na íntegra:
    http://www.cnbb.org.br/site/imprensa/noticias/11641-nota-da-cbjp-sobre-a-eleicao-da-presidencia-da-comissao-de-direitos-humanos-e-minorias-da-camara-dos-deputados

    ResponderExcluir
  4. A Exodus International, a maior comunidade cristã do mundo dedicada à “cura gay” fechou suas portas após 37 anos de funcionamento nos Estados Unidos. A decisão foi anunciada após o líder do grupo, Alan Chambers, divulgar uma carta na qual se assume homossexual.

    Em carta publicada no site da comunidade, Chambers pede perdão aos gays, lésbicas e bissexuais por toda dor e sofrimento que causou à comunidade LGBT por todos esses anos. “É estranho se tornar alguém que foi ferido pela comunidade cristã e LGBT e ter que se desculpar por ter sido parte de um sistema que promoveu a ignorância e o sofrimento. Hoje, eu acordei entendendo como é doloroso ser o pecador dentro de uma igreja raivosa. Nós estamos presos em uma visão de mundo que não honra os nossos companheiros seres humanos, nem a Bíblia”, concluiu Chambers.

    O método utilizado pelo grupo, chamado Exodus, era conhecido por propagar a “cura através da fé”.

    http://blogs.diariodepernambuco.com.br/lgbtudo/2013/06/maior-comunidade-do-mundo-dedicada-a-cura-gay-fecha-as-portas-lider-assume-ser-homossexual/

    ResponderExcluir
  5. O que tem chamado a atenção neste caso, e que é objeto desta reflexão, é a “bola de neve” que ele provocou a partir das reações ao nome do deputado, formada por protestos públicos da parte de diversos segmentos da sociedade civil, mais a criação de uma frente parlamentar de oposição à eleição de Feliciano, e pelo estabelecimento de uma guerra religiosa entre evangélicos e ativistas do movimento de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT), e entre evangélicos e não-cristãos. E esta bola de neve é produto de fatores que se apresentam para além da CDH, e a expõem como um elemento a mais no complexo quadro da relação entre religião e sociedade no Brasil...

    http://leonardoboff.wordpress.com/2013/05/09/o-que-se-esconde-atras-do-caso-marco-feliciano-da-comissao-de-direitos-humanos/

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!