20 de nov de 2012

MALUNGUINHO NAS TELAS

Divindade, guerreiro, negro/índio e ícone da resistência quilombola no Recife. Por mais de 177 anos, Malunguinho vem sendo cultuado nos terreiros de Jurema Sagrada do Nordeste, mas ainda é desconhecido do povo e ignorado pela historiografia oficial do Brasil. No Dia da Consciência Negra, nesta terça-feira (20), ele ganha um filme homônimo, dirigido por Felipe Peres Calheiros, que estréia no Cinema São Luiz, às 19h, e também vai passar às 21h na TVU Canal 11.

O documentário reproduz o que seria a rotina dos quilombolas do século 19 na Mata Norte pernambucana, ao mesmo tempo em que apresenta o culto da Jurema numa observação respeitosa e sensorial a três terreiros da Região Metropolitana do Recife. Imagens que são entrecortadas pelas entrevistas de João Monteiro, Alexandre L'Omi L'Odò e Sandro de Jucá, estudiosos e praticantes da Jurema (religião de matriz indígena com influência africana) sobre o papel marginal dado aos quilombos nos documentos e livros de história.

Malunguinho liderou o quilombo do Catucá, nos arredores de Recife, no início do século XIX. O enfrentamento de tropas e os diversos saques e sublevações promovidos pelo seu grupo ficaram registrados na correspondência entre as autoridades da época, em documentos históricos guardados no Arquivo Público do Estado Pernambuco e ainda não totalmente revelados. Após seu assassinato, em setembro de 1835, o líder quilombola passou em definitivo a ser cultuado pelos praticantes da Jurema Sagrada, segundo os historiadores do projeto e idealizadores do filme, articulados no Quilombo Cultural Malunguinho.

Mais no blog:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!