7 de out de 2012

MARCELO RECEBE PRÊMIO DA PAZ

Marcelo Barros, monge beneditino, colaborador de Dom Helder e assessor das comunidades de base e de movimentos populares, membro do Grupo de Estudo sobre Transdisciplinaridade e Diálogo do nosso Mestrado em Ciências da Religião da UNICAP, acaba de ganhar prêmio na Itália:

"Cidades e comunas da província de Cezenna e Forlí, perto de Rimini, criaram o prêmio da paz. Essa é a primeira edição de um prêmio anual que é simbólico (consta de um diploma e o ícone de um crucifixo antigo, símbolo da cidade de Longiano) e ligado a uma marcha anual pela paz. O critério dos organizadores é oferecer esse prêmio a alguém que se distinga por seu trabalho no plano da interculturalidade e do diálogo, seja de gêneros, seja o diálogo inter religioso. Para receber esse primeiro prêmio como construtor da paz 2012, o escolhido foi o monge beneditino Marcelo Barros, brasileiro, natural de Camaragibe, em Pernambuco e que atualmente vive em Recife.

Desde a juventude, Marcelo se consagra ao diálogo com as culturas e religiões afro-brasileiras e atualmente trabalha no plano latino-americano da integração das culturas. Esse trabalho é feito a partir da inserção e do compromisso com a luta de libertação do povo, especialmente dos lavradores e pessoas das periferias urbanas. No Brasil, ele é membro da Comissão pela Diversidade Religiosa na Secretaria Especial da Presidência da República para os Direitos Humanos e, em abril passado, foi eleito secretário para a América Latina da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). Tem 44 livros publicados, dos quais 14 traduzidos ou editados diretamente na Itália. Acompanha frequentemente grupos de solidariedade e dialoga com grupos cristãos que não se sentem inseridos nas estruturas comuns da Igreja.

Na cerimônia de recepção do prêmio no Castelo sede da fundação, Marcelo Barros afirmou que aceitou o prêmio não porque se sentisse merecedor, mas para merecê-lo. Disse ainda que o recebia em nome do seu grupo de irmãos e irmãs ligados à teologia pluralista da libertação. Afirmou ainda que no Brasil muitas pessoas e grupos mereceriam esse prêmio bem mais do que ele e deu o exemplo dos companheiros/as do MST e dos movimentos populares. Em poucos minutos de conversa, ele tinha conquistado todo aquele auditório da comuna, repleto de adultos e de muitos jovens. Respondeu a perguntas do prefeito da cidade, de um professor da Universidade Regional e do público em geral. Declarou que a base do diálogo intercultural e inter religioso é a espiritualidade ou seja, uma cultura de amor e solidariedade que nos faz sempre ser abertos ao outro e ao diferente.

Reconheceu que os obstáculos mais frequentes para essa abertura intercultural e portanto para a construção da paz no plano das religiões é o dogmatismo e o autoritarismo. Também denunciou o patriarcalismo como chaga que fere a sociedade. Quando perguntado se se sentia tão valorizado em sua própria terra e pela sua Igreja como o é pelas comunidades da Itália e de outros países, respondeu que se sente muito bem com as comunidades eclesiais de base e com os movimentos da pastoral social. Alguém lhe perguntou: Como reage quando sente que alguém não concorda com suas ideias e não o aceita? Ele respondeu: - Procuro superar o sofrimento afetivo que isso provoca em mim e compreender as razões pelas quais a pessoa não me aceita. O público aplaudiu" (Leonello Renno, no Correio de Longiano, 29 de setembro 2012, traduzido do italiano).

Siga aqui o blog de Marcelo Barros.

Mais no blog:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!