26 de ago de 2012

QUEM É JOSÉ COMBLIN?!


  Fotos de Wilson Jansen (veja mais aqui no seu blog)
  Veja também aqui o álbum de Mariano Vicente


O PADRE JOSÉ DOS POBRES

As escolhas que ele fez,
não lhe deram um reinado,
mas lhe deram lucidez:
um irmão ao nosso lado!

Sem temor da releitura,
com o olhar que vai lá dentro,
elegeu sempre a procura
e entendeu Quem é que é o Centro!

O seu longo aprendizado
não foi só de academia.
Nem ficou daquele lado.
Junto aos pobres, sua alegria!

Descobriu que a liberdade
é o presente que humaniza.
Sempre em busca da verdade,
foi suor, bem mais que brisa.

No poder, fosse qual fosse,
suspeitou uma impostura:
pois o Mestre, firme e doce,
foi perdão, paz e bravura!

Não poupava a Instituição
que, chamada a ser serviço,
trai a fé, na contramão,
com o olhar um tanto omisso.

Sim, ao Reino deu seu brio,
não às púrpuras e às palmas!
Entendeu que o desafio
é o humano: corpos e almas!

É no grito do pequeno
que de Deus se escuta a voz:
pois é ali que se faz pleno
o que o céu pede de nós!
(J. Thomaz Filho)

Com patrocínio do Programa de Cooperação Acadêmica sobre Religiosidade Popular e Poder no Nordeste, coordenado no Recife pelo professor Luiz Carlos Marques, um grupo de 13 professores, estudantes e ex-estudantes do Mestrado em Ciências da Religião da Unicap realizou neste final de semana, 25 e 26 de agosto, uma excursão a Santa Fé, na Paraíba, em busca da memória de José Comblin. Participaram da animada e proveitosa excursão acadêmica: Carlos Vieira, Karina Bezerra, Paulo César Pereira, Walter Amaral, Mariano Vicente, Drance Elias, Wilson Jansen, Gilbraz Aragão, Luiz Carlos Marques, Newton Cabral, Zuleica Campos, Maria do Rosário Catão e Abraão Silva.

A programação constou de visita ao Santuário do Padre Ibiapina em Santa Fé, Solânea, Paraíba, onde estão o túmulo e o Memorial do Padre José Comblin – que se dizia inspirado na sua missão evangelizadora pelo grande peregrino e construtor de Casas de Caridade, que foi Ibiapina (1806-1883). Tivemos uma conversa gostosa com a comunidade e a irmã Monica Muggler, companheira de Comblin, sobre a Pessoa e o Pensamento do padre José, além de uma discussão sobre os rumos das Religiões Populares - que constituíam temática de predileção de Comblin, junto com a questão da Liberdade do Espírito. Em pauta também a criação de um Núcleo de Estudos sobre José Comblin na Unicap, que é herdeira da sua biblioteca pessoal.

José Comblin (1923-2011) continua sendo uma figura simbólica para muitos cristãos e cidadãos espalhados pelo mundo e, sobretudo, na América Latina e no Nordeste brasileiro. Nele, reconhecemos um dos teólogos da aurora da Teologia da Libertação – de modo especial da Teologia da Enxada – com uma produção privilegiada, seja quanto à qualidade, seja quanto ao seu incansável ritmo de produção, destacando-se a publicação, até o final de sua vida, de centenas de artigos e mais de setenta livros. Comblin se mostrou um apaixonado da causa libertária dos pobres, na perspectiva do seguimento de Jesus. Por eles e com eles viveu e morreu, sempre educando para uma esperança militante.

Tornou-se conhecido como missionário e profeta, famoso por incomodar e desinstalar, por denunciar o culto religioso e pregar a memória de Jesus Cristo, apontando as mazelas e armadilhas dos poderosos e das instituições, e, ao mesmo tempo, lembrando que a “esperança dos pobres vive”. Um intelectual de inteligência privilegiada, dotado de profunda erudição, o que sempre soube combinar com uma capacidade ímpar de clareza, simplicidade e força de testemunho. Como colaborar para que as novas gerações possam acessar o percurso intelectual de Comblin e se deixar sensibilizar pelo seu engajamento e pelas suas causas? Foi essa a pergunta mobilizadora da nossa excursão, que trouxe as seguintes propostas de encaminhamento, que deverão confluir para um futuro Núcleo de Estudos sobre José Comblin na Universidade Católica de Pernambuco:

1. Formação de grupo de estudos sobre José Comblin no Mestrado, sob animação de Paulo Cesar, que deve gestar um projeto sistemático de pesquisa, articular semana de estudos com a UFPB e outros grupos interessados em Comblin, além de promover intercâmbio com a equipe do seu Memorial em Santa Fé.

2. Criação de uma página na internet sobre os grupos e atividades que estudam Comblin na região, focando e favorecendo o acesso à sua biblioteca na Unicap, sob liderança de Carlos Vieira, do Humanitas da Universidade.

3. Organização, em 2013, de um número temático da nossa Revista Paralellus, com reflexões sobre a obra de Comblin e artigo inédito dele, sob liderança de Mariano Vicente e Walter Amaral.

4. Lançamento do livro póstumo de Comblin na Unicap, no Colóquio Religiões, Identidades e Diálogos, do Mestrado, em 9 de novembro próximo, responsabilidade de Drance e Gilbraz.

5. Disponibilização de um laboratório de história que está em construção, para digitalizar os arquivos pessoais de Comblin e empreender o tratamento crítico do material, que deverá ser apresentado na internet, responsabilidade de Luiz Carlos e equipe.

Que esse trabalho de pesquisa e comunicação sobre Comblin inspire mais rigor acadêmico e maior compromisso profético nas Ciências da Religião da gente, em coerência com o mestre cujo pensamento pretendemos estudar melhor. E todos estão convidados para o mutirão!

Acesse aqui o site do Memorial José Comblin
 (aproveite e faça um passeio virtual).

Saiba mais sobre Comblin aqui no blog.
Veja aqui o livro póstumo de Comblin.
Paulo Cesar escreveu dissertação sobre Comblin,
 cujo índice pode ser baixado aqui e texto completo aqui.
Alberto Oliveira fez dissertação sobre Ibiapina,
cujo texto pode ser baixado aqui.
Baixe aqui o artigo de Gilbraz:
 "A religiosidade popular e a fé cristã".
Veja mais religiões pelos sertões aqui.

3 comentários:

  1. Caros amigos !
    Eu sou da Fac Teologia - PUC SP, e neste momento me encontro em Louvain, Belgica, na Faculdade de Teologia, fazendo meu doutorado , no qual tenho como autor principal José Comblin. Estou trabalhando dentro do Depto de Teologia Prática - "A Esperanza no pensamento de Jose Comblin - aportes práticos e pastorais". Gostaria muito de manter contato com o responsável do grupo de trabaho.
    Deixo meu email : alzirinhasouza@hotmail.com
    Um abraço e parabéns pela iniciativa
    Alzirinha Souza
    Université Catholique de Louvain / PUC=SP

    ResponderExcluir
  2. Prezada Alzirinha,
    O Núcleo de Estudos sobre Comblin está em processo (e esperamos que você também, em algum momento, participe dele). Por enquanto, o que começa a funcionar é um grupo de estudo, que será animado pelo nosso Mestre Paulo Cesar (paulobultrins@hotmail.com), com apoio do nosso Colegiado.
    Abraço forte e vamos ampliar essa rede!
    Gilbraz.

    ResponderExcluir
  3. Apressador de Urgências

    Olheiro e aprendiz dos sinais dos tempos
    E das lutas mais queridas.
    Amante e servidor da dama liberdade,
    farejador e acolhedor do sopro do Espírito
    Crente do pobre-povo-de-Deus...

    No trânsito da história
    nos antigos e novos rumos das idéias
    ele percebe mais, bem mais
    do que apenas sinais
    vermelhos, amarelos e verdes...

    Não se atém nem se retém
    aos postos institucionais
    Não empaca nos míopes avisos: Errado!Certo!
    de cúrias e incúrias.

    Vai seguindo
    indo e vindo
    com sua enxada teológica
    revolvendo teologias
    cavando e desencavando eclesiologias
    no campo, na cidade
    com uma simplicidade já euro-nordestina
    nas entranhas do Evangelho

    Minha gratidão nordestina
    cria audácias na imaginação...
    Adivinho-o
    crítico e amoroso,
    sério e de fino humor;
    de ouvido afiado
    ao que é mais abafado
    na dignidade dos pobres.
    Movido pelo amor,
    apressando as horas daquela urgência
    que não permite esperar!

    Ao Pe. Comblin,
    Na manhã de seus oitenta anos,
    Abraço de Agostinha Vieira de Mello

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!