6 de ago de 2012

JORGE AMADO E O CANDOMBLÉ




Jorge Amado estaria completando cem anos esta semana. Estudou com os jesuítas em Salvador e se tornou um genial escritor nordestino. Mergulhou na cultura afro-brasileira para criar suas obras de modernismo regionalista. Materialista e comunista, era simpatizante do candomblé e foi o principal articulador da emenda constitucional que garante a liberdade de crença e culto no Brasil. Concluindo uma série de reportagens sobre ele no Jornal do Commercio do Recife, Mateus Araújo escreve nesta segunda (6/8) a reportagem "Jorge Amado, guerreiro contra a intolerância", da qual transcrevemos este trecho:

"As cores, os sons, a magia e os mistérios de uma Bahia que é o reflexo de um Brasil crente e sincrético. Talvez nunca tenha existido, e dificilmente existirá, alguém que soube traduzir com tanta delicadeza, bom humor, realidade e encanto um povo, como fez Jorge Amado. “Não sou religioso mas tenho assistido a muita mágica. Sou supersticioso e acredito em milagres. A vida é feita de acontecimentos comuns e de milagres”, assim dizia o escritor baiano, militante comunista, obá de Xangô, filho e ogã de Oxóssi.

Foi por volta dos 16 anos, através do amigo etnólogo Edilson Carneiro, que Jorge Amado mergulhou na religião afro-brasileira. Do babalorixá Procópio Xavier, o escritor recebeu seu primeiro título no candomblé: ogã de Oxóssi – um dos sacerdotes que auxiliam nas cerimônias religiosas. No terreiro de Mãe Senhora, o Ilê Axé Opô Afonjá, na Bahia, ele foi um dos doze conselheiros, chamado de obá de Xangô.

Nos seus mais de 30 livros publicados, o autor de Gabriela, cravo e canela e Tereza Batista cansada de guerra une a festividade típica da religião às características mestiças para criar uma visão específica da Bahia e do Brasil, onde rezas a santos da igreja católica se somam a cânticos e toques aos deuses da natureza, nos terreiros. Entre os seus milhares de personagens, Jorge usou as referências afrorreligiosas que lhe aproximam dos leitores, e o fazem não só um romancista, como também, indiretamente, um historiador da cultura brasileira.

Deputado constituinte pelo Partido Comunista Brasileiro, em 1946, Jorge Amado foi o principal responsável pela inclusão da emenda constitucional (o inciso 6º do artigo 5º) mantida até hoje, que garante a liberdade de crença e culto no Brasil. O ato, como a própria Mãe Stela de Oxóssi – substituta de Mãe Senhora – faz questão de relembrar sempre que entrevistada, foi um marco na liberdade religiosa nacional..."

Leia a matéria completa no JC, onde também aparecem:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!