9 de jun de 2010

GRUPOS TEMÁTICOS


Estes são os Grupos Temáticos aprovados para o III Simpósio de Teologia e Ciências da Religião da UNICAP. As propostas de comunicações (por mestrandos, mestres, doutores e pesquisadores) devem ser feitas via e-mails dos coordenadores dos GTs, listados abaixo (indicar título da comunicação, nome e titulação do autor, resumo da comunicação).
No dia 22 de junho serão divulgados para os e-mails dos interessados, pelos coordenadores dos respectivos GTs, os trabalhos aceitos. Terá início, então, o envio de texto integral para publicação nos anais (via e-mail marcosc@unicap.br e segundo as “normas para textos” do site do evento).

1. Dom Helder Câmara, religiões e diálogos.
Coordenador: João Luiz Correia Júnior
E-mail: jota@unicap.br
Dom Helder era místico, político, organizador, poeta, realista, sonhador, humilde, ousado, profeta. Contemplativo, unia contemplação e ação – acreditava que a realidade nasce no sonho, e se concretiza através da palavra e da ação. Entre suas bandeiras encontrava-se a do ecumenismo, defendendo a relação com as outras Igrejas e as outras religiões, sempre em defesa dos mais pobres. Este Grupo de Trabalho está aberto a comunicações que tratem da obra pastoral e teológica do Dom, especialmente da sua práxis de ecumenismo e diálogo.

2. Interpretações filosóficas frente à religião.
Coordenador: Marcos Roberto Nunes da Costa
E-mail: marcosc@unicap.br
A filosofia da religião tem por objetivo o estudo da dimensão espiritual do homem desde uma perspectiva filosófica (metafísica, antropológica e ética), indagando e pesquisando sobre a essência do fenômeno religioso: “o que é afinal, a religião?”. Neste Grupo de Trabalho serão acolhidas comunicações que estabeleçam um paralelo interpretativo entre a história da filosofia e o desenvolvimento das tradições religiosas, em especial do cristianismo.

3. Religiosidade afro-brasileira: interpretações e pluralidades.
Coordenadores: Sérgio Sezino Douets Vasconcelos e Zuleica Dantas Pereira Campos
E-mail: zuleica@unicap.br
Pluralismo religioso e suas diversas interpretações são temáticas recorrentes na contemporaneidade. Partindo do pressuposto que as experiências religiosas afro-brasileiras surgiram de redescrições plurais daquelas encontradas no continente africano e que historicamente, no Brasil, foram e ainda são, interpretadas e reinterpretadas nos mais diferentes focos; sejam estes sob o ponto de vista das diversas áreas de conhecimento como a sociologia, a antropologia, a teologia, a história, entre outras áreas de saberes; ou utilizando-se de modelos teóricos diversificados, nos propomos a discutir essas interpretações e pluralidades na transdisciplinaridade proposta pelas Ciências da Religião. Consideramos como alvo de nossas discussões as mais diferentes formas de manifestações afro-brasileiras e umbandistas, buscando situar teoricamente as múltiplas variações desses discursos.

4. Catolicismo e espaço público.
Coordenadores: José Rodorval Ramalho e Péricles Andrade
E-mail: periclesmorais@hotmail.com
O GT tem como propósito reunir pesquisadores que tenham se dedicado ao estudo sociológico do catolicismo em suas mais diferentes formas de expressão e tendências no espaço público brasileiro. Quais os limites de influência e os espaços sociais que cabem à atuação católica no mundo atual? As possíveis respostas desta questão poderão ser observadas nas relações a serem discutidas neste GT: catolicismo, poder e política; catolicismo e cidades; catolicismo e meios de comunicação; catolicismo e pluralismo.

5. Educação, religião e imaginário.
Coordenadora: Eunice Simões Lins Gomes
E-mail: euniceslgomes@gmail.com
O GT objetiva socializar conhecimento no âmbito dos significados simbólicos das práticas e ideários religiosos e educacionais, da mitologia judaico-cristã, dos ritos religiosos, das construções teóricas do mito, da análise do discurso religioso, de textos sagrados antigos e livros-didáticos do ensino religioso. Essa discussão teórico-metodológica quer colaborar para a formação de mitólogos e de pesquisadores, além de contribuir com práticas religiosas e educativas mais simbólicas, criativas, críticas e poéticas, sensíveis ao trajeto antropológico do humano.

6. Diálogo inter-religioso: novas lógicas.
Coordenador: Gilbraz Aragão
E-mail: gilbraz@unicap.br
Na UNICAP temos um Fórum Inter-religioso e um Grupo de Estudos sobre Transdisciplinaridade e Diálogo, além do Observatório das Religiões no Recife (http://www.unicap.br/observatorio). Queremos aproveitar este GT para trocar experiências com quem pensa sobre um novo lugar para a religião no mundo, o de uma espiritualidade transreligiosa, em correlação com uma ciência transdisciplinar. O Grupo de Trabalho acolherá comunicações de quem se pergunta pela possibilidade de novas lógicas para o diálogo inter-religioso e por uma “abordagem mais integral” para o pluralismo cultural e religioso.

7. Cem anos de pentecostalismo no Brasil: expansão, intolerâncias e futuros.
Coordenadores: Drance Elias e Aurenéa Maria de Oliveira.
E-mail: drance@unicap.br
A expansão do pentecostalismo fez com que muitos cientistas sociais o encarassem dentro de uma nova perspectiva de estudo no campo do fenômeno religioso: “O crescimento expansivo desenvolvido pelo pentecostalismo no transcurso dos últimos 20 anos, em toda a América Latina, leva-nos a ver no movimento pentecostal não um movimento de refúgio, que emerge em meio a uma transição entre uma situação tradicional e uma situação de modernidade – mas, a constituição de uma realidade religiosa maciça e política que nos leva a ver no pentecostalismo a única expressão de religião popular da muito diversificada presença protestante no continente latino-americano”. Este GT quer reunir pesquisadores desse fenômeno que persiste nas sociedades pós-modernas e trabalham as seguintes questões: por que o pentecostalismo encontra tanto significado na sociedade hoje? O que possibilita que sua proposta e seu sentido de vida sejam aceitos e recebidos pela grande massa do povo pobre e até atingindo certos setores da classe média? Por que tanta intolerância, sobretudo, nas expressões neopentecotais que surgem no início dos anos 70? Qual o futuro do pentecostalismo no Brasil?

8. Entre a religião de Roma e a religião do Povo.
Coordenadora: Nainôra Maria Barbosa de Freitas
E-mail: nainora.maria@yahoo.com.br
A proposta deste GT será discutir a presença da Igreja católica no período da República, buscando a análise e compreensão das relações, ora confluentes ora conflituosas, entre as diretrizes que emanavam de Roma e as expressões populares de catolicismo. O GT acolherá pesquisas que, sob a perspectiva do religioso presente no cotidiano, interessam-se por todas as formas de práticas religiosas, tanto as que envolvem a instituição, seus fiéis, as mentalidades, a economia e a política, quanto as que manifestam dissensos, mais ou menos explícitos, com as formas religiosas aceitas pelas elites católicas.

9. Estudos de devoções: reflexões teóricas e metodológicas.
Coordenadoras: Sylvana Maria Brandão de Aguiar, Roberta Bivar Campos e Maristela Oliveira de Andrade
E-mail: symbay@globo.com
Entre e para além das religiões, as devoções referem-se a práticas onde não se almeja o encontro com a divindade através do desenvolvimento do próprio potencial ou poderes internos, mas sim apenas através da fé na divindade e em sua ajuda, para se alcançar os objetivos finais espirituais. Trata-se da reverência e adoração à divindade em causa, que neste Grupo de Trabalho será analisada pelo foco antropológico e interdisciplinar, buscando-se um panorama dos estudos sobre o fenômeno.

10. Movimentos sociopolítico-religiosos e lideranças eclesiais no Brasil republicano.
Coordenação: Newton Darwin de Andrade Cabral
E-mail: newton@unicap.br
O grupo proposto pretende abrigar comunicações cujas temáticas contenham análises históricas – historicizações – de alguns dentre os múltiplos fenômenos do campo religioso, que marcaram a constituição e a evolução de uma sociedade. Entendemos por historicização, o situar cada fenômeno ligado ao campo religioso nos processos e relações sociais de produção e reprodução da vida, do poder e da cultura ao longo do tempo. As comunicações devem, portanto, versar sobre temas que identificam e reconstroem a gênese e o desenvolvimento de alguns fenômenos do campo religioso, particularmente movimentos sociopolíticos inspirados nas doutrinas das diversas igrejas cristãs, bem como o pensamento e a atuação de lideranças eclesiais das mesmas igrejas que interferiram na evolução da sociedade brasileira e até mesmo a condicionaram no período histórico aberto com a Proclamação da República e a subsequente decretação do fim da íntima ligação Estado-Igreja que caracterizara o Brasil em fases anteriores.

11. Bibliarte: as artes na Bíblia e a Bíblia nas artes.
Coordenador: Cláudio Vianney Malzoni
E-mail: malzoni@unicap.br
Este GT está aberto a apresentações de trabalhos de cunho científico e ou artístico que queiram tratar da questão da influência da Bíblia nas diversas manifestações artísticas: música, pintura, escultura, literatura, arquitetura, cinema, teatro, culinária, e artesanato em geral, bem como a trabalhos que ajudem a desvelar os traços artísticos dos gêneros literários bíblicos.

12. História das Religiões e Interfaces com Ciência(s) da(s) Religião(ões).
Coordenadores: Carlos André Cavalcanti e Luiz Carlos Luz Marques
E-mail: carlosandrecavalcanti@gmail.com
A aproximação do tempo histórico com o tempo religioso é o desafio de fundo para o diálogo entre História e Ciência(s) da(s) Religião(ões). Seja para as religiões institucionalizadas ou seja para as diversas outras religiosidades, a questão que aponta tal desafio é a do exercício do poder pelos homens de religião. Este GT busca debater e aprofundar as muitas questões envolvidas nesta temática, tanto para a História das Religiões no Brasil quanto para a História Geral das Religiões, além da interdisciplinaridade com áreas afins em temáticas históricas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!