30 de abr de 2010

RELIGIÃO CAPITALISTA

COLÓQUIO INTERNACIONAL
CAPITALISMO COMO RELIGIÃO - DESLOCAMENTOS DO RELIGIOSO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS RELIGIÃO E GLOBALIZAÇÃO
PUC GOIÁS - UEG
Cidade de Goiás, 02 a 04 de junho de 2010

“O mercado global contém duas qualidades freqüentemente associadas à herança religiosa: transcendência e onipresença. Sua globalidade transcende os indivíduos, as classes sociais e as nações, envolvendo a todos no seio de uma mesma integralidade. Seu domínio não conhece fronteiras, abarca o planeta por inteiro; homens, povos, natureza, a ele são submetidos. A universalidade do mercado, ou seja, sua extensão confere-lhe a dimensão de totalidade (e muitas vezes de totalitarismo). A transcendência é, contudo, sempre abstrata, algo latente; para se realizar ela deve manifestar-se no mundo, afirmar sua onipresença. A transcendência do mercado perpetua-se através do consumo, este é o ato que a situa, a singulariza, inserindo o indivíduo no seu ser... Entretanto, tais virtudes nada têm de “verdadeiras”, falta-lhes um fundamento ontológico, sagrado, por isso o mercado se apresenta como uma “falsa religião”, e sua adoração, uma “idolatria”. Religião e mercado surgem assim como entidades morais mundiais, concorrentes e conflitantes. Cada um com seus deuses, suas exigências, sua ética.”

Este texto do sociólogo Renato Ortiz (Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 16, n. 47, p.72) dá uma boa impostação à proposta do Colóquio Internacional “Capitalismo como Religião – Deslocamentos do Religioso na Sociedade Contemporânea”. Os participantes do colóquio se propõem analisar e discutir as pretensões totalizantes e totalitárias do capitalismo, questionando se a sua ampla aceitação e onipresença mundial, a fusão dos horizontes da economia capitalista com as expectativas de felicidade e realização humana, a empatia da mercadoria com a esfera libidinal e do desejo, as experiências de transcendência que o consumo promete, se por tudo isso não deveria o capitalismo atual ser mais propriamente pensado e analisado como uma religião. Se não, onde estariam as fronteiras, os limites, as pertinências de cada um. Se sim, que tipo de religião seria este, que desafios teóricos coloca às ciências da religião, que desafios práticos propõe à prática política e que desafios existenciais apresenta também às religiões, sobretudo àquelas correntes críticas e libertadoras dentro do Cristianismo.

O Colóquio Internacional “Capitalismo como Religião – Deslocamentos do Religioso na Sociedade Contemporânea” é uma iniciativa do Núcleo de Estudos Avançados Religião e Globalização, da Rede Goiana de Pesquisa sobre Religião e Globalização e do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, em parceria com a Universidade Estadual de Goiás, campus Cidade de Goiás. Dele participam economistas e historiadores, cientistas da religião, filósofos, teólogos e membros de movimentos sociais defensores de uma visão crítica da globalização. Como se trata de um colóquio, as conferências serão breves, de modo a propiciar bastante tempo para o debate entre os participantes e a interação com o público presente. Os textos das conferências estarão disponíveis a partir de meados do mês de maio nesta página. Professores e estudantes das Ciências da Religião e das Ciências Sociais, pessoas e profissionais das mais diversas áreas estão convidados a participar.

PROGRAMAÇÃO

2/6/2010 – Quarta-feira
Tarde: Chegada a Cidade de Goiás, acomodação dos participantes
Noite
19h30 - Abertura e jantar de boas-vindas (NEAV-UEG)
20h30 - Passeio guiado pela cidade velha - Eduardo Quadros – UEG, Cidade de Goias

3/6/2010 – Quinta-feira, Corpus Christi
Manhã
8h30 – Conferência: Pode o capitalismo ser considerado uma religião? Deslocamentos do religioso e esfera econômica
Alberto da Silva Moreira – PUC Goiás
9h – Debate e interação
10h – Pausa
10h20 – Conferencia: Religión y fetichismo de la mercancía
Jose Antonio Zamora – CSIC, Madrid
11h - Debate e interação
12h – Pausa para almoço
Tarde
14h – Conferencia: Capitalismo, transcendência e onipresença
Nildo Silva Viana - UFG
14h30 – Debate e interação
15h30 – Pausa
16h – Conferencia: A fé no dinheiro: promessa de salvação e riqueza infinita
Josué Candido da Silva – UESC-BA, Ilhéus
16h30 – Debate e interação
17h30 – Pausa
19h30 – Jantar
20h30 – Programação cultural

4/6/2010 – Sexta-feira
Manhã
8h30 – Conferencia: Mercado: a religião sem interditos e seu projeto de recriar o humano e o mundo
Jose Jorge de Carvalho – UnB, Brasília
9h – Debate e interação
10h – Pausa
10h20 – Conferência: O que o capitalismo mudou no cristianismo. Felicidade e renúncia
Luiz Carlos Susin – PUC-RS, Porto Alegre
11h – Debate e interação
12h – Pausa para almoço
Tarde
14h – Conferência: Grupos e movimentos cristãos contra a globalização capitalista autoritária
Michael Ramminger – ITP, Munster
14h30 – Debate e interação
15h30 – Pausa
16h – Conferência: As chances da religião libertadora – teologia da libertação e as utopias político-religiosas dos excluídos
Nestor Miguez – CONICET, Buenos Aires
16h30 – Debate e interação
17h30 - Pausa
19h30 – Jantar
20h30 – Mesa-redonda final – As novas faces da religião

5/6/2010 – Sábado: possibilidade de visita a região de Goiás Velho.

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES:

Geyza Pereira – Secretaria do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião:
Tel. 62 - 3946 1673

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!